Arquiteto Pietro Terlizzi ensina como adotar o estilo industrial

O profissional indica cinco passos para conquistar a estética industrial, da planta à escolha das luminárias

Projeto: Pietro Terlizzi Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

Quando os galpões e estúdios que antes abrigavam fábricas em Nova York foram transformados em apartamentos, entre as décadas de 1950 e 1970, a estética industrial invadiu os projetos residenciais. Marcado por espaços amplos e integrados, tijolos, concreto e tubulações aparentes, além de muita madeira e metal, esse estilo se tornou tendência e veio para ficar nos lares contemporâneos.

Como muitos dos elementos que caracterizam um projeto industrial se relacionam à estrutura, é preciso cuidado e orientação de um profissional antes de adotá-los em casa. O arquiteto Pietro Terlizzi, que comanda o escritório Pietro Terlizzi Arquitetura, ensina como aderir à estética industrial em cinco passos.

 

Planta

Projeto: Pietro Terlizzi Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

Ambientes integrados são característicos do estilo industrial e remetem à sua origem. “Uma planta integrada ajuda a valorizar esse tipo de projeto, pela continuidade dos conduítes aparentes, por exemplo, que migram de um cômodo para o outro”, explica Pietro. “Além disso, um estilo com tanta personalidade funciona melhor quando está em mais de um espaço da casa”, aconselha o arquiteto.

 

Paredes e teto

O arquiteto criou o efeito de tijolinhos na parede do apartamento com bricks da Lepri.

Projeto: Pietro Terlizzi Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

Tijolos à vista e concreto aparente são materiais característicos da estética industrial. Mas antes de sair descascando teto, vigas e paredes, o morador precisa saber como a casa ou apartamento foi construído. “Se as pessoas desejam deixar à vista o ‘esqueleto’ da casa, é necessário verificar se a parede realmente é de tijolo maciço e se as estruturas são de concreto. Em caso positivo, pode-se raspar as superfícies até deixar os materiais aparentes”, ensina Pietro.

A segunda etapa é aplicar um produto impermeabilizante nas estruturas de concreto. Para os tijolinhos, o impermeabilizante não é obrigatório, mas recomenda-se usá-lo para proteger melhor os blocos, além da aplicação ser benéfica para a limpeza e minimizar o acúmulo de poeira.

  

A linha de porcelanatos Seattle, da Incepa, imprime as características do concreto industrial em sua superfície. Foto: Divulgação

Se as estruturas originais foram erguidas com outros componentes, é possível usar bricks, que são revestimentos que reproduzem a aparência dos tijolinhos, assim como texturas e porcelanatos que imitam o concreto e o cimento queimado.

Quem deseja dar um passo além e pretende retirar o forro de gesso, tanto para aumentar o pé direito quanto para revelar a estrutura de elétrica e hidráulica da construção, deve consultar um profissional. “É preciso avaliar as tubulações e dutos que passarão naquele ambiente e se eles podem ficar aparentes, de acordo com as soluções projetuais”, alerta o arquiteto.

 

Instalações elétricas e hidráulicas

Projeto: Pietro Terlizzi Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

Quem quer aderir a um projeto industrial pode investir em sistemas aparentes para as novas instalações elétricas e hidráulicas. “Essa é uma das principais características dos projetos industriais, tanto quanto deixar à mostra estruturas e paredes de tijolo”, conta Pietro. Essas instalações exigem tipos específicos de conduítes e canos, que devem ser rígidos.

 

Escadas, portas e janelas

Projeto: Pietro Terlizzi Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

O metal é outro material que caracteriza o estilo industrial e geralmente compõe escadas, esquadrias e vigas. Para a pintura desses elementos, a tinta mais indicada é a automotiva, com um sistema de pintura chamado eletrostático.

 

Iluminação

  

Pendentes aramados e lâmpadas de filamento da Yamamura.

Projeto: Pietro Terlizzi Arquitetura | Foto: Emerson Rodrigues

Para a escolha das luminárias não existe regra, pois um dos principais aspectos dos projetos industriais é a mistura de referências. “Porém, usamos muito spots, trilhos com spots, lâmpadas de filamento e pendentes aramados”, sugere Pietro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.